Siga o José Anibal
nas Redes Sociais

Busca

buscar

Newsletter

enviar

Notícias

14/09/2017

Partidos precisam encontrar narrativas e práticas mais próximas da sociedade, diz FHC durante o seminário "Desafios Políticos"

Os partidos precisam encontrar uma narrativa e uma prática que contemplem os anseios de uma nova sociedade ou ficarão falando apenas para si mesmos, ficarão inúteis frente à dinâmica da vida. A afirmação foi feita pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Em palestra do seminário Desafios Políticos de um Mundo em Intensa Transformação, ele argumentou que, ao contrário do que ocorria na era moderna, a sociedade contemporânea não está dividida em classes, mas fragmentada por questões ligadas à identidade, como gênero, raça e interesses comuns.

"Hoje as comunidades se formam pela internet. As pessoas não estão mais ligadas face a face, mas estão conectadas, vivendo dentro do mesmo espírito. São tribos que cortam a sociedade espacialmente, mas que não se limitam às relações de classe", afirmou. "Temos um computador no bolso. Os jovens têm um computador na alma também. Mas os partidos envelheceram. Não se adaptaram a esses novos instrumentais de comunicação."

Fernando Henrique reforçou que os partidos ainda estão na era moderna, quando de fato foram criados, porque ainda expressam a grande questão da época, que era a luta de classes. "As novas questões da sociedade estão a toda hora nas novelas, por exemplo, mas os partidos fingem que não veem e se recusam a debater isso", completou.

Segundo o ex-presidente, a prática partidária precisa assumir que já existe um sentimento de que o progresso virá com mais respeito à diversidade. Entretanto, isso tem que tem que ser dito de forma mais contemporânea. "Senão não seremos ouvidos", concluiu.

Superar a ‘apatia intelectual' e reinventar o Estado
Autor do livro A Quarta Revolução, Adrian Wooldridge, colunista da revista The Economist, afirmou  que há atualmente uma "apatia intelectual": as pessoas não pensam a fundo a natureza da política e do Estado. Por isso, a crise em ambos. "A natureza do Estado pode mudar. Já mudou muito e passou por transformações drásticas. Mas agora não estamos mais tentando reinventá-lo", disse.

Em sua palestra, Wooldridge fez um histórico das revoluções pelas quais o Estado passou ao longo do tempo, mote de seu mais recente livro. A primeira, no século 17, foi interpretada por Thomas Hobbes, que pregava que as pessoas deveriam abrir mão da liberdade individual em relação ao Estado para terem segurança. "A Europa passou a ser o centro do mundo, porque tinha um modelo estatal de sucesso", explicou.

A segunda revolução veio no século 19, quando se passou a acreditar que o Estado, para gerar liberdade e eficiência, precisava ser menor. Já no século 20, preponderou a ideia de que o Estado deveria gerar bem-estar social. Foi a terceira revolução. "E isso deu muito certo, mas depois de um certo tempo, o Estado ficou grande demais, pois além de oferecer condições essenciais, como saúde e educação, passou a oferecer outros e diversos tipos de serviços. Vieram as cobranças, as greves e as manifestações, na década de 70", disse. "Aí veio a revolução neoliberal, com Regan e Tatcher", completou.

"Agora temos a revolução da tecnologia e do conhecimento. A revolução industrial do cérebro. E esse é só o começo", afirmou. Para ele, as novas tecnologias precisam estar ligadas à grande questão: para que serve o Estado? "Se o Estado ficar cada vez maior, será um grande problema para a democracia", completou.
Além disso, acrescentou, é importante defender a liberdade. "Hoje o Estado tributa e fica com metade do que você produz, mas precisamos voltar à revolução britânica, de eliminar a corrupção e ficar com o necessário. Aquele mundo, da segunda revolução, prosperou porque se reinventou e reinventou o Estado democrático. E é isso o que funciona."

O que é ser progressista no mundo contemporâneo
O presidente nacional do PPS, deputado federal Roberto Freire, afirmou  que o desafio é definir o que é "ser progressista" nos dias de hoje e qual o papel da esquerda nesse contexto. "Não é buscar como nos reencontrarmos na história, mas como entender a história e que papel teremos nela", disse.

Segundo ele, no século 19 Karl Marx enfrentou um mundo em revolução e mostrou que era necessário entender aquele novo momento, falando de modos de produção diferentes que mudaram também as relações. "Hoje estamos vivendo uma outra revolução, em que não fica evidente a luta de classes. Quem será a vanguarda nessa história? A esquerda foi vanguarda no processo industrial. E agora?", questionou.

Para Freire, a esquerda precisa se reinventar e não aceitar que se seu papel no mundo se esgotou. "E essa não será uma função da esquerda no Brasil ou do PPS, ou do PSDB. Será preciso uma grande movimentação da esquerda no mundo. Esse polo progressista, essa frente democrática precisa apontar caminhos para sairmos dessa crise, a mais profunda de nossa história."
 

Outras Notícias