Siga o José Anibal
nas Redes Sociais

Busca

buscar

Newsletter

enviar

Notícias

10/05/2017

Em Mogi das Cruzes, José Aníbal participa da inauguração do Centro Oncológico do Hospital das Clínicas Luzia de Pinho Melo

Obra contou com investimento de R$ 27,2 milhões do Governo do Estado de São Paulo

O presidente do Instituto Teotônio Vilela (ITV), José Aníbal, participou na manhã desta quarta-feira (10) da inauguração do Centro Oncológico do Hospital das Clínicas Luzia de Pinho Melo, em Mogi das Cruzes. Participaram da cerimônia o governador Geraldo Alckmin, o atual e o ex-prefeito de Mogi, Marcus Melo e Marco Bertaiolli, respectivamente, a primeira-dama Karin Melo, além de prefeitos da região do Alto Tietê, deputados estaduais, vereadores e secretários municipais mogianos.

O Governo do Estado investiu R$ 27,2 milhões para construir o prédio do Centro Oncológico, incluindo a aquisição de um acelerador linear, equipamento utilizado para sessões de radioterapia.

 “Hoje é um dia muito especial para a população de Mogi das Cruzes e região. Completamos o ciclo de tratamento de câncer, todas as neoplasias, desde o diagnóstico. Hospital aparelhadíssimo, com cirurgias, quimioterapias, vamos dobrar a capacidade de atendimento. E, finalmente, a parte mais completa de radioterapias. O equipamento já está instalado e começa a atender a partir desta tarde, com paciente já agendado”, comemorou Alckmin.

José Aníbal parabenizou o governador por sua “sensibilidade em ajudar São Paulo a ficar melhor e, com isso, ajudar todo o Brasil a ter um atendimento em saúde que outros estados não têm”.

Para o presidente do ITV, o Brasil e São Paulo estariam “muito pior” se o governo paulista não fosse sério como é. “A sociedade brasileira está insatisfeita e demonstra uma fadiga com a política, tem o desejo de participar mais. Cabe aos partidos abrirem canais de diálogo. Mas pensando racionalmente, temos do que nos arrepender no governo de São Paulo? Não temos”, disse.

O tucano afirmou que o Brasil como um todo precisa agir com mais racionalidade. "Quantas vezes nós já acreditamos em salvadores da pátria? Em duas nós tivemos que pedir o impeachment pra tirar salvador. Nós não queremos mais isso. Nós queremos um Brasil que aja com racionalidade, sem sobressaltos, com segurança, regras claras, dizendo o que vai fazer e fazendo", completou.

O Centro Oncológico vai possibilitar tratamento integral desde o acompanhamento do paciente a partir do diagnóstico até a última fase do tratamento. O setor passa a funcionar de forma gradativa para oferecer 300 sessões de tratamento por mês, com a expectativa duplicar esse número para 600 sessões/mês, até o final do ano.

Outras Notícias