Siga o José Anibal
nas Redes Sociais

Busca

buscar

Newsletter

enviar

Notícias

02/12/2017

ITV e Diversidade Tucana lançam cartilha "Direitos da Diversidade" durante primeiro encontro nacional do movimento LGBT do PSDB

Representantes da Diversidade Tucana de vários Estados, como São Paulo, Mato Grosso do Sul, Pará, Natal, Piauí, Alagoas, Espírito Santo, Ceará, Goiás e Pernambuco marcaram presença no evento

Com apoio do Instituto Teotônio Vilela (ITV), o movimento Diversidade Tucana (DT) realizou seu primeiro Encontro Nacional neste sábado (02/12), em São Paulo. Durante o evento, foi apresentada a cartilha "Direitos da Diversidade", o primeiro documento do tipo elaborado pelo PSDB. Representantes da Diversidade Tucana de vários Estados, como São Paulo, Mato Grosso do Sul, Pará, Natal, Piauí, Alagoas, Espírito Santo, Ceará, Goiás e Pernambuco marcaram presença no evento.

Clique AQUI para baixar o PDF da cartilha

"Agradeço muito ao ITV por ter tornado essa reunião possível. Agora temos um documento mostrando que o PSDB fala e pensa sobre diversidade. É um momento histórico. Nosso movimento já existe há mais de 10 anos e esse é o primeiro encontro nacional que conseguimos realizar, através do apoio do Instituto Teotônio Vilela. Isso é muito importante, mostra nossa força e seriedade", afirmou o presidente nacional da DT, Marcos Fernandes, na abertura do encontro.

Durante sua fala, Fernandes ressaltou o olhar e a notabilidade que os governos do PSDB sempre deram à comunidade. "Nas gestões tucanas, as políticas para a comunidade LGBT têm vez. E o Governo de SP, com Franco Montoro, foi pioneiro. Foi o primeiro que passou a proteger a comunidade LGBT e a tratar a questão da diversidade com respeito".

Sociedade plural

O presidente nacional do ITV, José Aníbal, defendeu a inclusão de representantes dos mais variados movimentos dentro do PSDB. "Vivemos em uma sociedade cada vez mais dinâmica. É preciso representar isso dentro do partido, perseverar no caminho do bom debate para que as flores possam florescer, para que sejamos cada vez mais plurais, como é a nossa sociedade", disse.

Aníbal também falou sobre o documento "Gente em Primeiro Lugar: o Brasil que queremos", uma proposta de atualização das diretrizes do PSDB, apresentado na última terça-feira (28/11), em Brasília, pelo ITV. "É preciso recuperar a narrativa do nosso partido, enfrentar os desafios, radicalizar a democracia, dar voz às minorias, focar no desenvolvimento regional, tudo isso está descrito nesse documento elaborado pelo Instituto. O debate da democracia e das diversidades sociais está no DNA do PSDB", afirmou.

O presidente do ITV disse ainda que o Instituto é "plural e universal, dialoga com todas as alas do partido" e estará sempre à disposição para colaborar na realização de encontros para discutir as mais diversas questões.

Nordeste

Em sintonia com um dos pontos do documento "Gente em Primeiro Lugar: O Brasil que queremos", que defende foco no desenvolvimento regional, a transexual pernambucana e uma das primeiras membras da Diversidade Tucana, Miriam Queiroz, pediu mais atenção do PSDB à região nordestina. "O nordeste não é do PT. É da sociedade civil. Temos que ir mais até lá, mostrar que estamos presentes e temos programa". A proposta também foi corroborada pelo presidente estadual da Diversidade Tucana no Piauí, André Santos.

Direitos da Diversidade

Rachel Macedo Rocha, vice-presidente da Diversidade Sexual e Combate à Homofobia da OAB/SP; Heloisa Gama Cidrin Alves, ex-coordenadora de Políticas para Diversidade do Estado de São Paulo e membro da Diversidade Sexual e Combate à Homofobia da OAB/SP; e Sergio Bernardo, advogado especialista em direito homoafetivo e membro da mesma comissão da OAB paulista, três dos autores da cartilha "Direitos da Diversidade", foram os responsáveis pela apresentação do documento.

Eles falaram sobre discriminação e vulnerabilidade da comunidade LGBT no Brasil, com destaque para um alarmante dado: 343 LGBTs foram assassinados no Brasil em 2016; políticas públicas e direitos LGBT; nome social (o nome pelo qual a pessoa transexual quer ser chamada); políticas do PSDB para a área, entre outros temas.
A cartilha é didática e explica, por exemplo, o que é diversidade sexual e de gênero, incluindo uma espécie de glossário da área (o que é transgênero, o que é cisgênero, etc). "É um marco para o PSDB a produção desse documento. Mostra que o partido sempre esteve atento às causas da comunidade LGBT", afirmou Heloisa Alves.

Pauta suprapartidária

O prefeito de Lins, Edgar de Souza, fez uma reflexão sobre as dificuldades que movimentos partidários de diversidade sexual enfrentam fora do âmbito ideológico de esquerda.
Segundo ele, partidos como PT e PSOL querem ter o domínio da narrativa e desmerecem qualquer iniciativa de outros partidos. "Isso é jogo de poder apenas. Não avança na luta das causas da comunidade LGBT".

O prefeito disse que a criminalização de todas as formas de LGBTfobia não avançam como deveriam por conta desse bloqueio ideológico. "O papel do PSDB é fundamental nessa travessia. Não somos só anti-petistas, combatemos o PT, mas somos muito mais do que isso. Temos uma origem social-democrata, com foco em uma ação política humana, social, de acreditar nas pessoas. É preciso mostrar isso de forma clara para a sociedade".

O deputado estadual Ramalho da Construção (PSDB-SP) também passou pelo encontro e cumprimentou a todos os membros da DT pela realização do reunião. "É uma iniciativa muito importante. Vivemos em uma sociedade diversa e movimentos como a Diversidade Tucana precisam ter cada vez mais voz. A construção de uma sociedade melhor depende de mais inclusão e discussões como essa realizada aqui ajudam muito".

Outras Notícias