Siga o José Anibal
nas Redes Sociais

Busca

buscar

Newsletter

enviar

Áudios

Em entrevista à rádio Jovem Pan neste domingo (9), José Aníbal fala sobre a conjuntura política e a posição do PSDB em relação ao governo Michel Temer

Em entrevista à rádio Jovem Pan neste domingo (9), José Aníbal fala sobre a conjuntura política e a posição do PSDB em relação ao governo Michel Temer. Para ele, mesmo "com muita dificuldade", o governo ainda está funcionando e é cedo para decretar seu fim. "A reforma trabalhista, por exemplo, deve ser votada essa semana no Senado. O PSDB está se reunindo sempre para avaliar a situação. Mesmo que decida por entregar os cargos e sair do governo, isso não vai interferir no nosso compromisso com a recuperação da economia e a aprovação das reformas. Os cargos, para mim, são claramente questões menores. O PSDB não é um partidinho que apoia um governo e já fica se preparando pra apoiar outro pensando em cargos. Isso é coisa de partido que não tem compromisso com o Brasil, o que não é o nosso caso", afirmou o presidente do Instituto Teotônio Vilela.

Em entrevista à rádio Municipalista de Botucatu, José Aníbal comenta a conjuntura política e defende que PSDB não aja por impulsos

O presidente do Instituto Teotônio Vilela, José Aníbal, concedeu entrevista ao programa "A marreta", da rádio Municipalista de Botucatu, na manhã desta sexta-feira (7). Ele falou sobre a atual conjuntura política do País e reafirmou que o PSDB precisa agir com temperança, e não por impulsos. "Precisamos ter responsabilidade nas nossas decisões. As pessoas querem ter no horizonte a perspectiva de um país melhor. Nosso compromisso deve ser sempre com o Brasil", disse José Aníbal.

Em entrevista ao jornal da CBN, José Aníbal faz alerta sobre soluções salvacionistas e diz que PSDB só deve deixar a base aliada se crise política comprometer a governabilidade de Temer

Em entrevista ao jornal da CBN na manhã desta segunda-feira (12), José Aníbal, presidente do Instituto Teotônio Vilela, afirmou que a capacidade de governabilidade do presidente Michel Temer e o compromisso do governo com a recuperação da economia devem nortear a decisão do PSDB sobre a saída ou permanência na base aliada. Para ele, o partido só deve desembarcar se a crise política comprometer a capacidade do governo em aprovar as reformas econômicas em tramitação no Congresso.

"O Brasil precisa ter cuidado com soluções salvacionistas. A sucessão presidencial tem que ter racionalidade. Precisamos voltar a ter um ambiente que nos propicie um crescimento sustentado. O Brasil foi muito estragado nos últimos anos, o rombo é enorme. Há uma recuperação da economia em curso que não pode ser prejudicada", disse.

PEC de José Aníbal estabelece regras mais claras para combater supersalários

Uma proposta de emenda à Constituição apresentada no Senado estabelece regras mais claras sobre o teto do funcionalismo público. O limite salarial é previsto desde a Constituição de 1988 e já foi tema de duas emendas constitucionais, em 1998 e 2003. Mesmo assim, foram encontradas brechas administrativas e legais que permitiram a alguns juízes, procuradores, senadores, deputados e vários servidores de carreira receberem salários mensais que, em alguns casos, superam R$ 100 mil. A PEC 63/2016, assinada por 35 senadores, acaba com essas possibilidades tanto na União quanto nos estados e municípios. O primeiro a assinar a proposta foi o senador José Aníbal (PSDB-SP). Segundo ele, o teto poderá ser ultrapassado em poucos casos, como adicional de férias, 13º salário e ajuda de custo para remoção. Confira os detalhes na reportagem de Floriano Filho, da Rádio Senado.

 

José Aníbal apresenta PEC para impedir supersalários e defende corte no orçamento do Congresso

O senador José Aníbal (PSDB-SP) apresentou uma Proposta de Emenda à Constituição que impede qualquer servidor público de receber remunerações acima do teto constitucional, hoje equivalente ao salário de um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), no valor de R$ 33,7 mil. Em entrevista à Rádio Senado, José Aníbal defendeu uma redução maior de custos do próprio Legislativo, para que os parlamentares tenham legitimidade para propor medidas de corte. "É o momento de se fazer as reformas públicas, e elas são indispensáveis", afirmou.

José Aníbal defende revisão do sistema previdenciário

Para o senador José Aníbal, o atual sistema previdenciário é uma fonte de injustiça, que privilegia os aposentados do setor público em detrimento dos beneficiários egressos da iniciativa privada. Na visão do tucano, a Previdência funciona como um "Robin Hood às avessas, tirando dos pobres para dar aos ricos".

José Aníbal apoia sessão temática para discutir projeto que pune abuso de autoridade

O senador José Aníbal (PSDB-SP) acredita que a sessão temática proposta pelo presidente do Senado, Renan Calheiros, para discutir o projeto que aumenta a pena para o crime de abuso da autoridade (PLS 280/2016) vai contribuir para a elaboração de uma versão consensual do projeto. Entre os convidados para o debate no Plenário do Senado estão o juiz federal Sérgio Moro e o procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

José Aníbal rebate críticas da oposição sobre PEC dos Gastos e diz que PT foi irresponsável